Fonte: O Tempo Online

Mesmo com a pandemia, o Produto Interno Bruto (PIB) da Construção Civil registrou um crescimento de 2,7% no segundo trimestre de 2021, na comparação com os três primeiros meses deste ano. Nesse período, a economia brasileira ficou praticamente estável, com variação negativa de 0,1%, em relação ao trimestre anterior. Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e foram divulgados nesta quarta-feira (01).

De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon-MG), Renato Michel, o resultado positivo do setor se deve a três fatores: taxa de juros, crédito imobiliário e a ressignificação da casa própria para as famílias. “A taxa de juros ainda em patamar mais baixo, o incremento do crédito imobiliário e o novo significado que as famílias deram para a casa própria, diante da pandemia, são alguns dos motivos que estão contribuindo para os resultados positivos do setor”, diz.

Michel também ressalta que, desde o início da pandemia, o segmento da construção civil não parou a produção, mesmo diante do aumento nos preços dos insumos.

“Continuamos produzindo e gerando emprego e renda para o país, mesmo com todas as dificuldades que enfrentamos, como o forte aumento no preço dos insumos. Temos que destacar a importância de Minas Gerais para os resultados positivos da construção nacional. Nos primeiros sete meses do ano, a ‘construção mineira’ registrou o segundo melhor resultado no mercado de trabalho no Brasil”, afirma.

Saiba mais:
>> CBIC: Aumento no custo da construção segue forte
>> ABRAINC divulga estudo com indicador de confiança do setor imobiliário
>> Tendências da construção civil em 2021
Copyright © 2021
Ir para o topo