Skip to main content

Industrialização da construção civil pode impulsionar Minha Casa, Minha Vida

Casa construída em 30 dias. Condomínio de três blocos pronto em quatro meses. A construção industrializada reduz o tempo, o custo e os resíduos das obras e é vista por especialistas como um dos caminhos para enfrentar o déficit habitacional no Brasil —estimado hoje em 6 milhões de moradias. A técnica, porém, esbarra no atual sistema tributário.

No modelo off-site, como é conhecida a construção feita fora do canteiro de obras, os imóveis saem de fábrica praticamente prontos, com sistemas elétrico e hidráulicos instalados. A depender do projeto, o nível de industrialização pode chegar a 85%. Nestes casos, louças de banheiros e cozinhas são colocadas ainda em fábrica.

De lá, painéis e módulos são levados para o canteiro, onde serão montados por uma equipe enxuta —cerca de cinco pessoas. Em questão de horas, casas, hospitais e escolas surgem no terreno.

“Conseguimos entregar um hospital com mais de 1.500 m² em 35 dias. Foram cem leitos preparados inicialmente para atendimento emergencial na pandemia”, conta Ronaldo Passeri, CEO da Tecverde.

Em outro projeto, uma escola estadual de Piraquara (PR) foi revitalizada e ganhou novas salas de aula. Uma obra que levaria, pelo menos, um ano, foi finalizada em 45 dias.

A construtora também tem em seu currículo um empreendimento de 136 unidades do Minha Casa, Minha Vida planejado e concluído durante 2020. E, no ano passado, lançou um projeto de casa para o mesmo público, com formato que acelera a linha de montagem e permite a entrega de imóveis em um dia.

Além da velocidade, outro grande diferencial dos projetos off-site é a economia. O custo de um empreendimento fabricado nesse modelo pode ser 15% menor do que uma construção em alvenaria, isso já considerando a redução de gastos indiretos no canteiro da obra.

Para especialistas, baratear a construção civil ampliaria o número de projetos habitacionais, principalmente para o Minha Casa, Minha Vida. Em sua retomada, o programa habitacional do governo federal pretende atingir dois milhões de famílias até dezembro de 2026, oferecendo subsídio máximo de R$ 170 mil para novos imóveis.

“Construir em fábrica é mais barato do que na obra e não perde qualidade de jeito nenhum”, afirma Luiz França, presidente da Abrainc (Associação Brasileira de Incorporadoras Imobiliárias).

Publicado em Portal Radar Imobiliário

Você Também pode gostar de ler

📍Construção emergencial de habitações após casos de deslizamentos de terra em São Paulo mostra potencial de método construtivo Wood Frame

📍Construção Industrializada e Modular: Tecnologias Revolucionando a Construção Civil no Brasil

 

Outras notícias

Tecverde participa da entrega das novas moradias em São Sebastião

20/02/2024
Na última segunda-feira, dia 19, ocorreu a entrega de 518 unidades habitacionais pelo Governo do Estado de São Paulo às...

Industrialização de canteiros de obras impulsiona ritmo de lançamentos no mercado imobiliário

19/02/2024
A crescente industrialização está transformando os tradicionais canteiros de obras, à medida que construtoras buscam maneiras de aumentar a produtividade...

Tendência do uso da madeira na Construção Civil

02/02/2024
Você sabia que colunas de madeira podem sustentar cinco vezes mais peso do que as de concreto? Este é apenas...

Construção a seco é alternativa sustentável a métodos convencionais

08/01/2024
A busca por sustentabilidade na construção civil é crucial, considerando o impacto ambiental expressivo dessa atividade. O setor, responsável por...