Skip to main content

A Tecverde mudou. Seja parceiro nesta nova História

Você já deve ter visto (nas redes sociais ou site) a divulgação dos nossos novos modelos de negócio. Estamos focando em 3 principais frentes: Residencial para casas térreas; Negócios Corporativos para obras comerciais (varejo e franquias); e TecHome para loteamentos. Nesse post, vamos trazer para os entusiastas da nossa tecnologia, parceiros e amigos, os motivos que nos fizeram reformular nossa estratégia comercial e de produto. Acompanhe a leitura! 

Como chegamos até aqui?

Ao longo de 13 anos de história, a Tecverde já passou por diversas mudanças. De 2009 a 2014, trabalhamos com obras para pessoa física, além de parceria com empresas para construções de escritórios, postos de atendimento em rodovias (SAUS) e edifícios comerciais. A partir de 2014, com a inauguração da nossa fábrica na cidade de Araucária, ganhamos escala e, com a possibilidade de construir mais de 5 mil unidades por ano, abraçamos projetos maiores.

Mesmo com um nível de industrialização ainda baixo (cerca de 30%), alcançamos alguns marcos importantes, como homologar nosso Datec para empreendimentos de até 4 pavimentos (já estamos homologando para 5); isso nos permitiu entrar no segmento de prédios baixos para o MCMV. Depois disso, fizemos história com o 1º prédio em wood frame do Brasil, em 2016, e com o primeiro residencial do MCMV a conquistar o selo CBG Condomínio no país, em 2018. Além disso, também conquistamos inúmeros prêmios de inovação e tecnologia, tanto no Brasil, quanto no exterior.

Nosso sistema em wood frame se consolidou no mercado nacional e o nível superior de conforto termo-acústico, oferecido pelo produto, tornou-se um grande diferencial competitivo. O índice de industrialização dobrou: 60% do processo passou a ser industrializado. Os painéis de parede passaram a sair prontos de fábrica, já com as instalações elétricas, hidráulicas, estruturas de esquadrias e janelas (com vidros instalados). O resultado desse avanço? A eficiência no canteiro aumentou significativamente: menos gente, mais segurança, menos riscos, menos custos indiretos e maior qualidade com o processo sistêmico off-site.

E não parou por aí!

A velocidade de obra foi um dos pontos que sempre chamou a atenção: até 4 vezes mais rápido que as obras convencionais, para o mesmo escopo. Brilhava os olhos tanto da construtora, pela melhora na performance financeira, quanto do cliente, que tinha a possibilidade de mudar muito mais rápido em comparação aos demais sistemas construtivos.

Neste modelo, chegamos a vender 8 mil unidades em um único ano. Abraçamos estes projetos, sempre acreditando que a escala nos faria reduzir os custos, abrindo espaço para margem e competitividade. Para se ter uma ideia, nas obras de prédios, precisamos utilizar muito mais insumos que nas obras de casas.

O que não esperávamos é que, no meio deste planejamento, teríamos que conviver com uma pandemia. Não é segredo para ninguém os desafios que acometeram o setor neste período, assim como em todas as camadas da sociedade. Os materiais de construção tiveram uma alta exponencial no preço e o wood frame não ficou de fora.

Como nossa tecnologia emprega muito mais material do que mão de obra, nossa viabilidade para a construção de prédios caiu. Começamos a ter custos de produção muito maiores do que preços de venda e cabe aqui um agradecimento aos clientes que, mesmo neste cenário, foram fiéis ao nosso propósito e contribuíram para construirmos, juntos, soluções para essas dificuldades.

Estamos com olhos no futuro

Neste momento, ainda enxergamos uma menor viabilidade produtiva para obras de prédios multifamiliares, principalmente aquelas vinculadas a programas governamentais. Por isso, estamos investindo em um plano de retomada, com base em melhorias técnicas e foco na redução de custos. Esta estratégia também aumenta o nível de industrialização e o desenvolvimento de uma nova plataforma de produtos. Todo esse processo deve levar cerca de 2 anos para se tornar operacional.

Levando isso em conta, decidimos alocar nossa energia na execução de produtos térreos. Aqui, conseguimos a industrialização de 85% do escopo, além de oferecer uma solução modular de banheiros, cozinhas e lavanderias; todos esses elementos saem prontos de fábrica, com a instalação de louças e acabamentos.

Para alcançarmos este objetivo, desenvolvemos uma plataforma de produtos muito similar ao que a indústria automobilística faz há 30 anos:

  • criação de uma plataforma fixa (menos de 20% dos componentes);
  • desenvolvimento de componentes modulares capazes de gerar “n” combinações (60% do produto);
  • e uma parcela (20%) customizável para cada produto.

Esta nova plataforma é capaz de entregar um alto nível de industrialização, com grande eficiência na engenharia; assim conseguimos abrir maior vantagem competitiva, mesmo após todas as altas recentes de custo.

Novos objetivos de negócio

Outra questão a ser respondida é: Por que apostamos no segmento corporativo com soluções para varejo e franquias? A Tecverde sempre desenvolveu projetos variados, incluindo obras comerciais. Com a chegada inesperada da pandemia, cogitamos até o fechamento da fábrica por algumas semanas, mas fomos acionados pela nossa parceira Brasil ao Cubo para executarmos um hospital permanente, que ficaria de legado para a população pós-covid. Dessa ideia, nasceu uma operação gigante que conseguiu produzir, montar e entregar 5 hospitais em menos de 6 meses, espalhados por várias cidades do Brasil, do Rio Grande do Sul ao Distrito Federal.

Tudo que explicamos acima veio para consolidar uma nova vertical de atuação: Negócios Corporativos. Primeiro, entendemos que não podemos concentrar 100% de novas vendas em projetos vinculados a programas governamentais. Segundo, que focar somente no segmento residencial, em um momento bastante volátil da economia com pouco poder de compra do consumidor final, não seria o ideal para nossa estratégia de negócio.

Analisando nossa expertise, percebemos que poderíamos gerar muito mais valor para outros segmentos, como escolas, hospitais, varejo, franquias etc. Nossas forças de engenharia e capacidade de industrialização de uma obra nos possibilitam entregar construções de uma forma muito mais rápida, com muito menos mão de obra no canteiro, com mais sustentabilidade e qualidade.

Por isso, hoje nosso time está 100% dedicado a essa nova vertical de negócio, realizando grandes avanços nos últimos 12 meses. Aqui, temos flexibilidade para nos adequarmos à demanda do cliente; o foco é a entrega máxima de valor para aquilo que mais importa para cada um. Além disso, com este modelo de negócio é possível viabilizar a construção de prédios, principalmente para empresas que buscam uma solução rápida, com alta qualidade sem despender muita energia com gerenciamento de obra. Temos um excelente case com a Parkside, em que já estamos iniciando uma segunda parceria. Neste projeto, o empreendimento tem foco principal no investimento para aluguel.

O Parkside Sapiens, nossa primeira obra em parceria com a Parkside, levou apenas um mês para ficar “em pé” no canteiro: 10 de produção dos painéis e outros 21 para ser montado. O Parkside Carvoeira, que já esta em fase de captação, é um projeto incrível em podium em concreto + 4 pavimentos na solução 2D Tecverde. Esta é uma tipologia muito comum na America do Norte para empreendimentos residenciais com térreo voltado a atividades comerciais.

*Saiba mais sobre o Parkside

Chegamos ao nosso último modelo de negócio: o TecHome

Em 2019, nasceu o TecHome. Um modelo de negócio que busca solucionar um problema real que  muitos já viveram: o cliente compra o lote, mas depois não consegue construir a casa, seja por questões financeiras ou por falta de experiência em gerir uma obra. Com isso, o loteador passa a sofrer perdas importantes com a baixa ocupação ou com a falta de qualidade nas moradias construídas. A solução encontrada pela Tecverde, em parceria com a Homelend, é a de oferecer ao cliente uma solução financeira que envolva tanto o pagamento do lote quanto a construção da casa; ou seja, com a solução construtiva, ele vê sua casa pronta em menos de 3 meses.

Hoje, nossa operação com o TecHome já conta com mais de 40 empreendimentos parceiros e um total de mais de 10 mil clientes cadastrados. 

Falamos com mais de 6 mil famílias e entendemos que elas realmente compram o lote para realizar o sonho da casa própria, uma realidade muito ligada à cultura brasileira. Muitas vezes, o lote é o ponto de partida para alimentar esse sonho. Oferecer uma solução completa para o cliente já não é mais apenas um diferencial na hora da venda, mas sim, um atendimento à necessidade real do comprador do lote. Por isso, enxergamos o TecHome como uma grande força, capaz de alcançar centenas de famílias, com a construção de casas de qualidade e de forma ágil, contribuindo para ocupação e valorização dos empreendimentos. 

 

Para você que nos acompanhou até aqui, a mensagem final é que a Tecverde é cíclica e está em constante processo de renovação e inovação. Buscamos oferecer sempre os melhores produtos com tecnologia de ponta aplicada a cada solução.

Se você possui produtos em um destes modelos de negócio que apresentamos nesse artigo, fale com a gente!

Abraços,
Caio Bonatto

Outras notícias

TalkHome: Brain e Aelo divulgam dados inéditos sobre mercado de loteamentos

11/05/2022
O próximo TalkHome já tem data marcada: 26/05 e irá trazer uma pesquisa inédita apresentada pela Brain Inteligência Estratégia em...

Parkside Carvoeira | Live de Lançamento

10/05/2022
A Tecverde fechou uma nova parceria com a Parkside e você pode escrever esta história com a gente. Depois do sucesso do Parkside Sapiens, empreendimento...

Caixa anuncia novo pacote de medidas para o setor imobiliário

03/05/2022
Fonte: Redação ABRAINC, com informações da Caixa O presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, anunciou nesta quinta-feira (28), um novo pacote...

Indicador ABRAINC-Fipe aponta crescimento de 42% nos lançamentos de imóveis

12/04/2022
Fonte: Abrainc O Indicador ABRAINC-Fipe do último trimestre móvel (novembro, dezembro de 2021 e janeiro de 2022) aponta para a...