Skip to main content

Construção civil fica mais cara em março; índice tem alta de 1,45%

Segundo dados divulgados pelo Imobi Report, desde mês deaAbril, 72%. Das indústrias do setor da construção civil continuam tendo dificuldades para comprar matéria-prima nacional, quando falamos de insumos estrangeiros, o índice sobre para 79%. É o que aponta um levantamento da CNI divulgado no dia 09 de abril, indicando que a situação no setor ainda está longe de ser superada.

De acordo com a consulta realizada pela instituição, empresários consideram que o quadro só deve normalizar no segundo semestre deste ano, ou apenas em 2022. 

Nota da Agência Brasil mostra que o Sinapi, Índice Nacional da Construção Civil, subiu 1,45% em março e ficou acima da taxa de fevereiro, de 1,33%.

Outros dados, anunciados pelo IBGE nesta sexta-feira (9), mostram que no primeiro trimestre do ano, o índice acumula aumento de 4,84% e, nos últimos 12 meses, a alta chega a 14,46%.

O aço, item que reúne vergalhão, arames e vigas, foi o que mais subiu e impactou uma média de 20 estados brasileiros.

O custo nacional da construção, por metro quadrado, que em fevereiro havia fechado em R$ 1.319,18, passou para R$ 1.338,35 em março.

Falta de materiais pode prejudicar a retomada da construção civil

O Jornal Nacional destacou, em uma entrevista na primeira semana do mês de abril, as dificuldades da retomada do setor em meio, também, da escassez dos materiais. Segundo Milton Bigucci Junior, presidente da Associação dos Construtores do Grande ABC, a falta dos insumos, principalmente do aço “é um impacto muito grande na cadeia produtiva dos empreendimentos”.

Consigo reduzir o impacto na minha construtora?

Com o cenário de aumento nos custos de construção, a produtividade nos canteiros deve se tornar ainda relevante para as construtoras. Além de otimizar os processos no canteiro de obras, neste modelo construtivo a padronização e escalabilidade, permitem ciclos mais curtos de produção o que tende mitigar os riscos gerais, diminuir os custos, principalmente os indiretos, e reduzir o impacto da inflação, que incide principalmente em obras com ciclo mais longo de execução. 

Como sistema construtivo desenvolvido pela Tecvede, em wood frame, o impacto do aumento dos insumos acaba sendo muito menos expressivo, já que pelas suas características industriais e pela menor oscilação entre oferta e demanda, a madeira apresenta variações de preços muito abaixo do INCC, afetando positivamente o resultado do empreendimento.

Ao contrário do que pode ser idealizado, a implantação de uma obra industrializada é muito fácil para a construtora ou incorporadora. Tendo a Tecverde como uma parceira de negócio, por exemplo, é possível desenvolver projetos e operacionalizar a produção de casas térreas, sobrados e torres de até quatro pavimentos, com diferentes tipos de projetos. Nossa fábrica já possui toda estrutura necessária para produzir até 15 unidades habitacionais por dia. Atualmente, temos mais de 20 mil pessoas morando em residências Tecverde, com um índice de satisfação de 92%. Quer saber mais? Entre em contato conosco! 

Outras notícias

Brasil é o quinto país no mundo com o maior número de construções ESG

18/11/2021
Fonte: GBC Brasil  A construção civil entrou de vez na dança do ESG (sigla em inglês para práticas ambientais, sociais e de governança)....

Tecverde e JN constroem o maior empreendimento industrializado off-site do Brasil

18/11/2021
A cidade de Cascavel, no Paraná, entrou definitivamente para a história da construção civil brasileira ao receber hoje o maior...

FILI 2021 reúne especialistas do mercado para debater futuro do setor

17/11/2021
Fonte: Estadão Online Fórum de inovação e liderança da incorporação trouxe temas como o avanço da digitalização na venda de...

Tecverde é destaque no Valor Econômico

17/11/2021
Tecverde terá mais duas fábricas nos próximos 4 anos Fabricante de casas de painéis com estrutura de madeira investirá até...